De Senegal a Curaçao: carro brasileiro chega a países que você nem imagina

in Notícias
Anúncio do Volkswagen Gol para CuraçaoInternet

Muitos dos carros vendidos no Brasil só são produzidos por aqui. Se engana, porém, quem imagina que esses veículos tão peculiares só circulam no Brasil e nos países do Mercosul.

Claro que os vizinhos próximos recebem mais os veículos feitos aqui. Só a Argentina recebeu 75% das exportações automotivas brasileiras até novembro de 2018, de acordo com o Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços.

O segundo maior importador é o Chile, que respondeu por 6,7% dos 482.919 automóveis enviados para fora em 2018. Na sequência vêm Colômbia (4,5%), México (4,1%), Uruguai (3,9%), Peru (2,5%) e Paraguai (1,9%).

Embora menores, mercados da América Central estão entre os principais destinos. Costa Rica, Panamá, Curaçao e República Dominicana também são as rotas de diversas marcas como Fiat, Jeep, Volkswagen e Renault.

Os Renault Captur, Duster Oroch e Kwid feitos em São José dos Pinhais (PR) vão para Argentina, Chile, Colômbia, México, Paraguai, Peru, Uruguai e Venezuela – de onde é distribuído para Guatemala, Costa Rica, Curaçao e República Dominicana.

A Renault ainda exporta Duster, Logan, Sandero e Master.

Renault Captur brasileiro em anúncio no PanamáRenault

Já os Jeep Renegade e Compass, fabricados em Goiana (PE) são vendidos na Argentina, Bolívia, Chile, Costa Rica, Guatemala, Nicarágua, Panamá, Paraguai, Peru e Uruguai. O Renegado ainda chega à Colômbia, Honduras, El Salvador, Panamá e México.

Ao invés de “Fiorino”, proteção lateral leva o nome “Rapid”Internet

Utilitários pequenos, como os Fiat Strada e Fiorino, são vendidos em Argentina, Paraguai e Uruguai sem mudar de nome.

Para México, Colômbia, El Salvador, Guatemala, Honduras, Nicarágua, Panamá, Venezuela, Chile, Bolívia e Peru, porém, os utilitários são rebatizados: o furgão vira RAM V700 e a picapinha, RAM 700.

O mesmo acontece com o Grand Siena, que é exportado para o México como Dodge Vision, e com a Toro, que será vendida como RAM 1000 na Colômbia.

Hoje o Grand Siena é exportado apenas para o México, onde se chama Dodge VisonDodge

A Fiat ainda exporta Argo, Uno, Mobi e até a veterana Weekend, que sustenta algum público no México, no Paraguai e no Peru – no passado, chegou a ser vendida com relativo sucesso em Portugal, Espanha e Itália.

Volkswagen Saveiro em anúncio da ColômbiaInternet

A Volkswagen Saveiro é vendida em México, Colômbia, Chile, Peru, Paraguai, Uruguai, Bolívia, Equador, Curaçao, St Marteen, Costa Rica, Guatemala, El Salvador, Honduras e Panamá. Alguns destes mercados ainda recebem Gol, Voyage, Polo, Up! e Fox.

Enquanto o Toyota Corolla chega a Argentina, Uruguai, Paraguai, Peru, Chile e Colombia, o Etios também segue para Honduras e Costa Rica. O Yaris, por sua vez, não passa da Argentina.

Também japonesa, a Nissan envia March, Versa e Kicks produzidos em Resende (RJ) para Argentina, Bolívia, Chile, Costa Rica, Panamá, Paraguai, Peru e Uruguai.

A Hyundai, por sua vez, exporta HB20 e Creta apenas para o Uruguai e o Paraguai.

Mas as fabricantes francesas parecem ter mais talento para espalhar seus produtos para o outro lado do Atlântico. O Citroën Aircross é exportado para Madagascar e Costa do Marfim.

Além destes países, os Kwid e Duster Oroch também têm o passaporte carimbado no Senegal, em Burkina Faso e Gabão.

Renault Kwid é considerado SUV compacto no GabãoInternet

Os dois Renault estão entre os carros enviados para mais destinos. Contudo, os veículos mais exportados hoje são os compactos Volkswagen Gol, Toyota Etios, Chevrolet Onix e Ford Ka, com mais de 30 mil unidades enviadas para fora do Brasil em 2018.

Renault Oroch na Costa do MarfimInternet



Fonte: Revista 4 Rodas

    Cart